Datas especiais

natal_dataesp

Natal

Data: 25 de dezembro


No princípio era o Verbo,
e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus.
Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens.
E a luz resplandece nas trevas, e as trevas não a compreenderam.
João 1:1, 4-5

Luz e trevas são dois conceitos profundamente gravados na psicologia humana. Dois conceitos que destacam o contraste entre duas realidades irreconciliáveis. Onde reina a luz, as trevas estão excluídas; onde há trevas, a luz é banida.

Por outro lado, dada a importância da luz para o desenvolvimento dos diferentes ecossistemas do nosso planeta, parece lógico que, desde sempre, a luz apareça associada à vida, e as trevas à morte. Justamente por isso, os povos antigos festejavam de diversas maneiras, especialmente com grandes fogueiras, o triunfo do sol sobre a noite. Assim acontecia com o solstício do inverno, data em que os dias começam a se prolongar.

A Igreja fixou a data da celebração do nascimento de Jesus perto do solstício de dezembro, dando-lhe o mesmo caráter simbólico: com a vinda de Jesus renascem a esperança e a luz no mundo. Vamos celebrar com alegria o próximo 25 de dezembro: vem Jesus, a quem reconhecemos e confessamos como luz do mundo.

Natal não é simplesmente a recordação de um acontecimento de mais de 2000 anos, mas se conecta profundamente com as aspirações mais profundas e íntimas do coração humano: anseios de luz, de vida plena para cada um individualmente e para todas as pessoas do mundo. Em verdade, nossa experiência cotidiana nos confronta com realidades em que convivem a luz e as trevas, o bem e o mal, como coexistem no coração de cada um de nós: Se a luz que em ti há são trevas, quão grandes serão tais trevas! (Mateus 6:23). Esta luz brilha nas trevas e as trevas não puderam apagar. Contra todo prognóstico, embora as notícias cotidianas pareçam contradizer isso, cremos firmemente que a vida é mais forte que a morte e a luz vence a escuridão.

(….)

Somos mendigos da luz, reconhecemos no mais profundo de nós mesmos um vazio, uma ferida não cicatrizada, uma sede insaciável. Frequentemente cedemos à tentação de completar esse vazio acumulando posses materiais ou saberes intelectuais. Ao não conseguir isso, nossa frustração aumenta.

A celebração do Natal nos oferece uma maravilhosa oportunidade para crescer na convicção de que nossas trevas não são mais do que uma imensa saudade da luz.

De noite iremos, de noite;
Sem lua iremos, sem lua;
Pois para encontrar a fonte
Só a sede nos ilumina.

(Luis Rosales, Retablo de Navidad)

Com meus melhores votos para você e para os seus. Feliz Natal!

 

Mensagem de Natal do Superior-Geral do Instituto Marista, Irmão Emili Turú

Fonte: União Marista do Brasil